Método de Perceção de Fertilidade

Se chegaste a este artigo é porque já ouviste falar sobre o Método de Perceção de Fertilidade e sentiste curiosidade ou necessidade de aprofundar os teus conhecimentos. O meu principal objetivo com este artigo é transmitir-te de forma clara, fundamentada e explícita toda a informação que te irá permitir conhecer realmente o Método de Perceção de Fertilidade.

O que vais encontrar neste artigo:

  • O que é o Método de Perceção de Fertilidade
  • Perceção de fertilidade masculina e feminina
  • Tipos de métodos de perceção de fertilidade
  • Vantagens e desvantagens da utilização dos MPF
  • Sinais/Indicadores biológicos de Fertilidade:
    • Muco cervical
    • Temperatura basal
    • Indicadores de fertilidade secundários
  • Como sistematizar a informação dos sinais/indicadores de fertilidade
  • Para a utilização deste método, o que é realmente necessário?

Para quem é este artigo?

  • Mulheres e casais que pretendem fazer uma escolha informada e empoderada, conhecendo as opções que estão disponíveis.
  • Mulheres e/ou casais que procuram alternativas aos métodos contracetivos convencionais.
  • Profissionais de saúde que respeitam e apoiam as decisões da mulher/casal e têm como objetivo informar-se com base em informação atualizada.

O que é o Método de Perceção de Fertilidade

O Método de Perceção de Fertilidade (em inglês Fertility Awareness Based Method) é um termo que inclui vários métodos de planeamento familiar que têm em comum:

  • A avaliação de sinais e sintomas (sinais/indicadores de fertilidade e biomarcadores do ciclo menstrual) que o corpo da mulher lhe dá ao longo do ciclo e lhe permite delimitar uma janela fértil e alcançar ou evitar uma gravidez de forma natural.
  • Ferramentas que permitem à mulher conhecer o seu ciclo menstrual como sinal de saúde.

Adicionalmente, estes métodos dependem de duas variáveis-chave:

  • A identificação da janela fértil da mulher durante o seu ciclo menstrual
  • A alteração dos comportamentos sexuais da mulher tendo em conta o seu objetivo de engravidar ou utilizar este conhecimento para evitar uma gravidez

O Método de Perceção de Fertilidade (MPF) é muitas vezes confundido com o método do calendário, que parte do princípio que a mulher ovula ao dia 14 ou que a ovulação ocorre a um dia fixo ou na mesma altura. Isto não é, de todo, verdade. Embora num ciclo saudável, a ovulação ocorra com maior probabilidade na mesma altura, não é regra – não somos robots e os nossos corpos não são relógios suíços. É também importante referir que as aplicações para smartphones baseiam-se no método do calendário.

Perceção de fertilidade masculina e feminina

O homem é potencialmente fértil 24 horas por dia, 7 dias por semana. Para o propósito de perceção de fertilidade, temos de assumir que o homem produz espermatozóides fortes e saudáveis de cada vez que ejacula. O esperma pode sobreviver, dentro do corpo da mulher, uma média de 2 a 3 dias e possivelmente 5 dias. A sobrevivência do esperma depende das secreções produzidas pelo cérvix (ou colo do útero), nomeadamente o muco cervical, que tem a função de encorajar ou bloquear o transporte de esperma, consoante a fase do ciclo menstrual. A avaliação do muco cervical é um dos principais sinais/indicadores utilizados pelos MPF, como veremos mais abaixo.

A fertilidade da mulher funciona de forma cíclica. A janela de oportunidade para engravidar (janela fértil) dura cerca de 6 dias em cada ciclo menstrual – o dia da ovulação e os 5 dias anteriores, que é também o tempo que o esperma pode sobreviver dentro do corpo da mulher, e para a qual foram determinadas as seguintes probabilidades:

Gráfico com probabilidade estimada de conseguir uma gravidez clínica. A linha tracejada representa as estimativas de Barrett e Marshall, e as linhas a tracejado representam as estimativas de Wilcox et al.

A mulher pode aprender a observar os seus indicadores de fertilidade para identificar o seu período fértil, que é diferente de mulher para mulher e pode variar de ciclo para ciclo em cada mulher.

Tipos de métodos de perceção de fertilidade

Existem inúmeros métodos de perceção de fertilidade, que utilizam diferentes indicadores de fertilidade, diferentes abordagens de observação, diferentes regras para evitar uma gravidez – mas baseadas na mesma ciência – e diferentes taxas de eficácia contracetiva.

Embora estes métodos sejam erradamente confundidos com métodos do calendário (ou métodos que “prevêem” a janela fértil) e tenham má fama em Portugal, alguns países como o Reino Unido ensinam estes métodos no seu sistema nacional de saúde (NHS) e reconhecem estes métodos como aceites e seguros, quando ensinados e aplicados corretamente.

No entanto, podemos classificar os diferentes métodos em seis categorias:

  1. Sintotérmico: avaliação e cruzamento de sinais de fertilidade como a avaliação do muco cervical, da temperatura basal e, por vezes, observações do colo do útero;
  2. Sintohormonal: avaliação e cruzamento de sinais de fertilidade, como o muco cervical e testes de LH (testes urinários hormonais);
  3. Métodos de avaliação do muco cervical: apenas avaliação do muco cervical;
  4. Métodos de avaliação da temperatura basal: apenas avaliação da temperatura basal, geralmente associados a monitores de fertilidade – baseiam-se muitas vezes em previsões, uma vez que a avaliação da temperaturaa basal não ajuda a abrir a janela fértil) .
  5. Métodos lactacionais: utilizam a amenorreia lactacional para determinar infertilidade.
  6. Métodos de calendário: utilizam apenas a contagem de dias do ciclo para determinar a fertilidade.

Não existem muitos estudos de qualidade feitos acerca dos métodos de perceção de fertilidade, no entanto o método sintotérmico é aquele que tem demonstrado mais eficácia. É importante referir que a eficácia destes métodos depende da forma como os/as utilizadores/as o praticam (com ou sem instrutora, como é feita a avaliação dos sinais de fertilidade, entre vários outros fatores). Temos também de considerar o “uso típico” e o “uso perfeito” destes métodos.

Tal como todos os métodos de contraceção, o método de perceção de fertilidade, para que seja eficaz, tem algumas regras que devem ser seguidas de forma consistente.

Vantagens e desvantagens da utilização do Método de Perceção de Fertilidade

No geral, estes métodos são seguros e ajudam a mulher a conhecer o seu corpo, o seu ciclo e a sua saúde, e não existem efeitos secundários. A mulher que utiliza estes métodos tem oportunidade de se sentir mais segura e empoderada nas decisões que dizem respeito ao seu corpo. O método de perceção de fertilidade pode ser usado quando a mulher deseja prevenir uma gravidez natural, respeitando as suas hormonas e deixando o seu ciclo menstrual fluir e em situações em que a mulher/casal deseja engravidar. Através deste conhecimento do seu corpo, a mulher poderá saber como está a sua saúde, e se a ovulação ocorre – algo que não é possível de determinar em nenhum outro método.

Por outro lado, como é o caso de qualquer método anticoncepcional, os MPF não são adequados para todas as pessoas. Os MPF dependem da cooperação do parceiro e, portanto, não são recomendados para pessoas em relações coercitivas ou sem apoio, em que a negociação de preservativos ou atividade sexual seria um desafio. Além disso, como estes métodos dependem de sinais e indicadores fisiológicos, mulheres com algumas alterações na sua saúde reprodutiva podem ter problemas em identificar e interpretar os sinais com precisão, pois muitas vezes mudam de acordo com a fisiopatologia subjacente. Mulheres que tiveram bebés recentemente ou que estão atualmente a amamentar também podem ter dificuldades para utilizar estes métodos. Adicionalmente, esses métodos requerem consistência comportamental e, como tal, podem não ser métodos ideais para pessoas que priorizam “set it and forget it” como um importante fator de decisão para seleção de um método anticoncecional.

Sinais/Indicadores biológicos de Fertilidade

Os indicadores de fertilidade, também chamados de sinais de fertilidade, são indicações que o nosso corpo nos dá, influenciado pelas oscilações hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual. Esses sinais permitem-nos reconhecer a hormona dominante em determinada fase do ciclo, o que nos ajuda a delimitar a janela fértil (quer para evitar uma gravidez ou alcançá-la) e nos ajuda a detetar possíveis desregulações hormonais. É através da análise, registo e avaliação desses indicadores que conseguimos usar o conhecimento sobre o nosso corpo e o nosso ciclo a nosso favor.

1. Muco cervical

Muco Cervical é produzido nas criptas cervicais

O que é

O muco cervical é uma substância produzida no cérvix, cujas características vão mudando ao longo do ciclo, por influência hormonal. O muco cervical é um importante biomarcador que está proporcionalmente relacionado com a função hormonal, saúde e fertilidade.

O muco cervical é necessário para a locomoção dos espermatozóides no sistema reprodutor da mulher, assim como para a sua nutrição. Tem ainda a função de filtrar os espermatozóides e de criar um meio alcalino para que estes possam sobreviver. Sem muco cervical fértil, os espermatozóides vivem apenas umas horas dentro do corpo da mulher, enquanto que, se este estiver presente, poderão sobreviver até 5 dias.

O muco cervical varia consoante as hormonas dominantes durante o ciclo, como iremos ver mais à frente.

Como avaliar

Para determinar as características do muco cervical ao longo ciclo, de forma precisa e eficaz, a mulher deverá efetuar a avaliação (observação externa) sempre que vai à casa de banho, antes de tomar banho e depois de fazer exercício físico.

Ao longo do dia, o muco cervical vai descendo pelo canal vaginal, até à vulva, altura em que é possível observá-lo. É importante que a avaliação do muco cervical seja regular ao longo do dia, uma vez que as mudanças hormonais podem ocorrer de forma rápida.

Existem três formas principais de avaliar o muco cervical:

  1. Sensação: ao passar papel higiénico na vulva, notar como este desliza. Há resistência? Uma sensação macia? Ou molhada/escorregadia/lubrificada? A sensação vaginal poderá também ser sentida na vulva – muitas mulheres sentem uma humidade repentina quando estão a andar, por exemplo, como se lhes tivesse vindo a menstruação.
  2. Observação: depois de passar o papel, o que se observa? É possível observar muco cervical? Quais as características do muco?
  3. Toque: Se se observou muco cervical, pode retirar-se uma amostra de muco do papel higiénico e esfregar entre os dedos para determinar a sua elasticidade e consistência.

Tipos de muco cervical

Existem duas categorias de muco cervical, que nos indicam qual a hormona predominante: muco cervical infértil (G – predominância de progesterona) e muco cervical fértil (E – predominância de estrogénio).

Muco cervical infértil (G)

Este tipo de muco ocorre quando a progesterona está dominante.

É fabricado na porção mais inferior do cérvix, é particularmente espesso e grosso, e atua como um “tampão” no cérvix, uma vez que ocorre geralmente quando a mulher está infértil. Este tampão atua como uma barreira na base do cérvix, que tem o objetivo proteger o útero de microorganismos e até mesmo de espermatozóides – por esta razão, tem uma função antimicrobiana. Quando este muco está presente, os espermatozóides não conseguem entrar no útero, não sobrevivendo mais do que algumas horas na vagina.

Muco cervical fértil (E)

O muco cervical estrogénico é um muco fértil. Quando este está presente, os espermatozóides podem sobreviver até 5 dias dentro do corpo da mulher, nas criptas do cérvix, que está aberto.

Dentro desta categoria existem dois tipos de cervical fértil, que variam consoante os níveis de estrogénio presentes no corpo:

O muco EL tem como principais objetivos filtrar os espermatozóides e criar um ambiente ideal para os manter vivos e nutridos até 5 dias dentro do corpo da mulher. Quando este tipo de muco está presente, significa que os níveis de estrogénio estão a crescer. É muito importante reconhecer o início do aparecimento deste muco, que geralmente começa apenas através de uma sensação húmida, podendo evoluir depois para um muco cremoso, leitoso e esbranquiçado.

O muco EL tem como principais objetivos filtrar os espermatozóides e criar um ambiente ideal para os manter vivos e nutridos até 5 dias dentro do corpo da mulher. Quando este tipo de muco está presente, significa que os níveis de estrogénio estão a crescer. É muito importante reconhecer o início do aparecimento deste muco, que geralmente começa apenas através de uma sensação húmida, podendo evoluir depois para um muco cremoso, leitoso e esbranquiçado.

Muco ES: este tipo de muco tem este nome, uma vez que uma das suas principais características é levar os espermatozóides até ao óvulo, daí o nome (S de sperm, – espermatozóides). Manifesta-se quando os níveis de estrogénio estão altos e a ovulação está eminente e geralmente apresenta-se como uma sensação lubrificada, transparente e elástico.

2. Temperatura basal

A temperatura basal corresponde à temperatura do corpo em repouso. Para informação detalhada sobre como varia ao longo do ciclo menstrual e como avaliar a temperatura basal, lê este artigo.

Fatores que impactam a temperatura basal

Existem fatores que podem alterar a temperatura basal e todos eles devem ser documentados no gráfico. Alguns são: ingestão de álcool na noite anterior, menos horas dormidas, acordar a uma hora diferente, doença, noites mais agitadas, dormir num local diferente, calor ou frio à noite, stress e viagens. É importante registar caso exista alguma destas alterações.

3. Indicadores de fertilidade secundários

Os sinais secundários são opcionais e não devem ser utilizados sozinhos, principalmente se a mulher pretende evitar uma gravidez.

Características do cérvix

Como vimos anteriormente, o cérvix, ou colo do útero, situa-se entre o útero e a vagina e vai sofrendo alterações ao longo do ciclo, por efeito das hormonas, e ao longo da vida da mulher. A observação destas características é opcional mas poderá ajuda a mulher a confirmar a sua fertilidade naquele dia.

De um modo geral pode dizer-se que:

  • Quando a mulher está infértil, o cérvix encontra-se mais baixo, duro (assim como a ponta do nariz ou queixo) e fechado.
  • Quando a mulher está fértil, o cérvix fica mais alto (diminuindo a distância que os espermatozóides têm de percorrer para chegar até ao útero), macio (como os lábios) e aberto (ligeiramente – nunca estará completamente aberto, a não ser que a mulher esteja em trabalho de parto).

Para avaliar as características do cérvix, a mulher deverá ter as mãos bem lavadas e colocar-se numa posição confortável (por exemplo de cócoras, deitada ou sentada na sanita). De seguida, introduz um dedo no canal vaginal até encontrar uma proeminência.

É importante utilizar sempre a mesma posição e o mesmo dedo. 

Testes de ovulação (OPK)

Testes para avaliar os níveis de LH em determinada altura do ciclo, o que nos dá indicação de que a ovulação poderá estar iminente. A libertação da hormona LH ocorre geralmente 24 a 36 horas antes da ovulação e pode ser detetada na urina, saliva e em testes de sangue. A forma mais comum de detetar a presença do LH é através de testes de urina. Estes testes, devem ser feitos preferencialmente à mesma hora, ao fim da manhã ou início da tarde, começando no dia 7 do ciclo ou no início da janela fértil.

Outros sinais de fertilidade

Algumas mulheres poderão sentir alguns sinais secundários ao longo do ciclo, que poderão ser um padrão. Cada mulher é individual e estes sinais poderão variar de ciclo para ciclo. Estes não servem para determinar a fertilidade, mas como uma ferramenta de auto-conhecimento.

  • Spotting a meio do ciclo: é um sangramento geralmente rosado ou acastanhado que pode acontecer por volta da altura da ovulação. Acredita-se ser causado por uma descida brusca do estrogénio antes da ovulação acontecer;
  • Dor ou desconforto na parte inferior do abdómen: também chamado de mittelschmerz, pode ser causado pelos folículos a serem maturados ou pela própria libertação do óvulo, que causa uma ligeira inflamação;
  • Aumento de libido;
  • Cravings;
  • Oscilações de humor;
  • Sensibilidade;
  • Lábios vaginais e vulva inchados;
  • Inchaço abdominal ou na zona dos nódulos linfáticos; 
  • Retenção de líquidos;
  • Mudança nos níveis de energia;
  • Sentidos mais apurados;
  • Sensibilidade mamária.

Como sistematizar a informação dos sinais/indicadores de fertilidade

A forma de sistematizar a informação recolhida com a observação dos sinais de fertilidade depende da preferência de cada mulher.

As avaliações podem ser registadas num gráfico em papel, existem várias opções disponíveis, por exemplo na loja do meu site podes adquirir o teu Gráfico Menstrual.

Alternativamente, o registo pode ser efetuado numa aplicação. As únicas aplicações disponíveis até ao momento que nos permitem registar os biomarcadores e sinais de fertilidade, são a Kindara e a Read Your Body.

Para a utilização deste método, o que é realmente necessário?

Para uma mulher que pretenda seguir um método de perceção de fertilidade recomendo:

  • acompanhamento por parte de uma instrutora certificada (ou, em alternativa, o meu curso Cosmic Cycles);
  • aquisição de um termómetro de temperatura basal com duas casas decimais (se escolher um método sintotérmico);
  • selecionar um local para anotar as observações (gráfico em papel ou aplicação de smartphone);
  • vontade, comprometimento e consistência.

Há cada vez mais evidência e estudos que demonstram que procura e a disponibilidade de MPF aumentou na última década, principalmente com a disponibilidade de apps de fertilidade. À medida que novos métodos baseados em aplicativos e tecnologias de fertilidade, continuam a aumentar a popularidade dos vários tipos de Método de Perceção de Fertilidade, há uma necessidade crescente de mais educação, consciência, apoio e pesquisa em torno desses métodos.

Espero que a leitura deste artigo te tenha permitido conhecer mais detalhadamente o Método de Perceção de Fertilidade, se ficaste com alguma questão, deixa o teu comentário ou envia-me um e-mail para info@cosmicfeminine.com.

Nota: esta informação é apenas uma referência tem como objetivo ajudar a mulher a reconhecer os seus padrões de muco cervical e não substituem o trabalho com uma instrutora, que é fundamental para a ajudar a estabelecer os padrões de muco cervical e prevenir uma gravidez de forma eficaz.

Conecta-te com a sabedoria do teu ciclo menstrual.

subscreve a newsletter

fica a par de todas as novidades e recebe gratuitamente o ebook "Cíclica - o conhecimento do corpo como método contracetivo".